21 de out de 2017

Terminologia I

A comunidade intersexo é relativamente nova. Pessoas inter tiveram sua existência historicamente apagada ou transformada num tabu por não se enquadrarem totalmente nos dois sexos mais comuns.

Junto com a comunidade trans, que acolheu intersexos por dividirem sofrimentos muito similares, a comunidade intersexo criou nomenclaturas e conceitos que trazem uma visão diferente sobre o que foi sempre definido socialmente como sexo biológico e como gênero.


Intersexo: pessoa que tem um sexo biológico que não se encaixa no padrão binário determinado pela comunidade científica, possuindo um sexo considerado indefinido ou que mistura as características dos sexos binários (feminino e masculino). Existem pelo menos 40 tipos de intersexos.
Perissexo: pessoa que tem um sexo biológico que se encaixa no padrão binário determinado, ou seja, ou são do "sexo feminino" ou do "sexo masculino". Pessoas perissexo podem ainda ser chamadas de diádicas em outras fontes.
Altersexo: termo utilizado principalmente, mas não exclusivamente, para personagens da ficção que possuem um sexo que não existe naturalmente ou que modificaram o sexo por algum motivo. Pode ser usado por pessoas que alteraram sua genitália ou fizeram alguma terapia hormonal, ou para pessoas que têm uma visão de que seu "verdadeiro" corpo não se encaixa nas definições de peri ou inter.
Sexo biológico: composto por cromossomos sexuais, gônadas, genitais e hormônios. Naturalmente as pessoas podem ser classificadas como perissexo ou intersexo.
Sexo feminino: para a ciência é a fêmea típica da espécie humana. Esse sexo é definido por cromossomos sexuais XX, presença de ovários, genitália vaginal e níveis considerados normais de progesterona e estrogênio.
Sexo masculino: para a ciência é o macho típico da espécie humana. Esse sexo é definido por cromossomos sexuais XY, presença de testículos, genitália peniana e níveis considerados normais de testosterona.
Terceiro sexo: há países que designam bebês intersexo (ou com uma genitália ambígua) como um terceiro sexo (ou gênero). É uma definição considerada discriminatória, pois resume todas as variações de intersexos num único sexo.
Diadismo: toda opressão e discriminação cometidas diretamente contra pessoas intersexo. O preconceito específico contra esse grupo é a intersexofobia.
Mutilação genital: é como a comunidade intersexo chama a cirurgia feita em bebês intersexos. Há casos em que é necessária uma intervenção médica, mas a cirurgia é imposta muito mais pelo pensamento diadista de que a genitália intersexual é deformada e que é necessário corrigi-la para poder identificar o bebê como um dos gêneros binários. Uma das pautas da militância intersexo é ter autonomia sobre seu corpo, pois defendem que seu sexo é natural e aceitável.
DDS: sigla de "desordens de desenvolvimento sexual" é um termo médico utilizado para definir toda variação de cromossomos sexuais, gônadas e anatomia consideradas atípicas. As variações intersexuais são englobadas pelo termo, e por isso ele não é aceito pela comunidade intersexo.
Ipsogênero: termo para pessoas intersexo que se identificam com o gênero designado a elas, seja masculino ou feminino. Serve como um diferencial de cisgênero devido ao preconceito estrutural sofrido por intersexos, que não permite que tenham os mesmos privilégios e aceitação que cisgêneros.
Intergênero: uma identidade de gênero não-binária que pode ser usada por pessoas intersexos que não se identificam com o gênero designado. Essa identidade pode ser vista como algo entre o feminino e o masculino, ou como uma mistura de ambos. Ainda há discussões se ela deve ou não ser usada apenas por intersexos.
Hermafrodita: antigamente era utilizado para definir pessoas intersexo. No entanto, pelo conceito e pela estigmatização consequente, o termo não é mais utilizado. Hermafroditismo é uma condição sexual presente em outras espécies da natureza, onde um ser vivo possui características sexuais tanto de macho quanto de fêmea, podendo também se reproduzir assexuadamente.



18 de out de 2017

A favor das crianças

Fazendo um gancho com o caso da exposição do homem nu, não pude deixar de achar tragicômico aquele pessoal conservador de sempre enchendo a boca para defender as crianças. Disseram para deixarem as crianças em paz, que estão tentando "erotizar" as crianças, ficaram dissertando sobre crime contra a criança e pedagogia como especialistas nos assuntos, enfim.

Dizem que são a favor das crianças. Que ótimo que são! Todxs deveriam ser a favor delas. Mas agora eu pergunto: de quais crianças essa gente é a favor?

Dizem que são a favor das crianças, mas menor de idade cometendo até um crime leve deve ir pra cadeia sofrer (bandido bom é bandido morto, né?).

Dizem que são a favor das crianças, mas aprovam agressão física como ensinamento (uma palmadinha não mata, né?).

Dizem que são a favor das crianças, mas a criança gordinha pode continuar sofrendo discriminação (bullying é vitimismo, né?).

Dizem que são a favor das crianças, mas não movem um dedo pelas crianças morando nas favelas em condições miseráveis e até violentas (azar o delas a família ser pobre, né?).

Dizem que são a favor das crianças, mas ignoram aquelas que moram na rua (são contra o aborto, mas depois que a criança nasce ela que se foda).

Dizem que são a favor das crianças, mas nunca visitaram um orfanato e fizeram uma caridade (e ainda querem impedir casais homoafetivos de adotar!).

Dizem que são a favor das crianças, mas não falam nada quando crianças LGBTs são violentadas e até expulsas de casa (quem manda a criança ser "viada"?).

Dizem que são a favor das crianças, mas não se revoltam com os inúmeros casos de abusos infantis ocorridos em igrejas e até nas próprias casas (detalhe: nenhum abuso ocorreu num museu).

A única criança que essa parcela conservadora hipócrita e tóxica adora é a branca e hétero-cis que se encaixa nas normatividades. Se seguir a linha reacionária melhor ainda. Essa gente demonstra cotidianamente seu desinteresse e desprezo pelas outras crianças, do nascimento até o direito mais básico!

No fim das contas não estão a favor de nenhuma criança. Nem adolescente, jovem, adulto ou idoso. Lembram das crianças apenas quando é conveniente. Aqui temos mais uma prova de que gente moralista é a mais degenerada.



14 de out de 2017

Terceiro ano

Anteontem o blog fez 3 aninhos. Eu pretendia lançar esse artigo na quarta-feira, mas sabe como é, sou enrolado hahaha.

Chegay ao terceiro ano de blog!

Quase 300 artigos e mais de 61 mil visualizações.

Escrevi há um tempo umas mudanças que fiz por aqui. Acredito que não necessitarei no momento de alguma grande reforma.

Posso dizer que esse ano de 2017 foi o ano em que mais tive contato com as militâncias e ativismos e as comunidades as quais não faço parte - negra, feminina, LBTIA. E também estou me aproximando de grupos socialistas que militam a favor da classe trabalhadora.

No entanto, falta muito para melhorar. Há conteúdo para ser atualizado, preciso abordar sobre outros grupos e suas pautas, e vou me comprometer a trazer informações que ainda não foram traduzidas para nosso idioma.

Fico feliz em saber que o blog tem uma boa visibilidade e que consegui ajudar pessoas através dele. Meu objetivo é apenas melhorar. E tenho muita sorte que existem pessoas e fontes me guiando e me trazendo novas perspectivas.

Por isso quero anunciar o site Orientando, cuja proposta é ser um espaço de aprendizado sobre o universo LGBTQIAP+. Sou voluntário lá faz mais de um mês e estive tendo acesso a conhecimentos bem diferentes.

Sigo firme e forte, aprendendo mais e mais, desenvolvendo e expandindo minha militância, trabalhando para oferecer um conteúdo de qualidade a todxs que estiverem procurando, e oferecendo sempre apoio e orientação a quem precisar.

Obrigado! 🌈