22 de set de 2018

Nota de esclarecimento

Ontem recebi um comentário dizendo que eu só aceito e respondo os comentários que eu quero.

Pois bem... é verdade. :D

Esse blog não é uma democracia. ^^

Que absurdo, né? Não, não é absurdo. Agora falando sério...

Esse blog é meu espaço. Tenho autonomia aqui e faço o que quero. Talvez seja o único local virtual onde sou plenamente livre.

Não permiti que pessoas comentassem à vontade nas postagens porque previ comentários escrotos. E, bem, quase todos os comentários que não permiti até hoje eram dessa natureza. Teve um ou outro que eram apenas banais ou bem desinformados.

Se vocês acham que sou obrigade a ler escrotice, deixar ela ser lida pelo resto do mundo, e que ainda tenho que responder, bom, vocês se enganaram, e estão mais do que convidades a fazerem isso em seus próprios espaços.

Uma coisa é a pessoa não entender algo e pedir explicação ou querer realmente debater. Outra é ela rejeitar tudo que falei e ainda fazer questão de me responder com agressividade, preconceito, ironia e verborreia. E quem quiser falar diretamente comigo e discutir, tenho minhas redes sociais, que são mais liberadas que aqui.

Os artigos que mais atraem gente escrota são XX e XY e Assexual - Grissexual - Alossexual (curiosamente foram postados em sequência haha). São artigos de 2016 com ideias ultrapassadas e conceitos equivocados. E nem adianta postar um link com artigos mais atualizados, as pessoas pelo visto têm preguiça de clicar no link...

Sobre o sexo biológico, bem, não há muito o que se fazer por quem não entendeu a ideia que defendi. Ninguém é obrigade a aceitar. Agora me responder distorcendo o que falei, me chamando de esquerdista/comunista, e rebatendo com tudo que contra-argumentei no texto inteiro, não vou perder meu tempo respondendo alguém assim. É igual falar com uma porta.

Se alguém realmente não entendeu o motivo de haver tantas identidades, estou colocando aqui dois artigos explicando. Isso foi o que mais gerou polêmica no artigo sobre o espectro assexual. E eu até compreendo quem pode achar essas identidades esquisitas e questionar a utilidade delas. Agora chegar no meu texto só invalidando e tirando sarro de tudo que escrevi, não, isso não é debate.

O melhor de tudo é que a maioria dos comentários escrotos até hoje foi de pessoas anônimas. Incluindo esse de ontem. Ué, me cobra democracia, mas nem sai do anonimato? Que luxo, né? E comentários escrotos anônimos definitivamente não merecem atenção.

Enfim, resumindo: comentários escrotos não serão aprovados. As pessoas têm a vastidão da Internet pra falar escrotice. Aqui não. Paz!



19 de set de 2018

Posicionamento político

Muita gente cobra posicionamentos de figuras públicas sobre temas, grupos, e acontecimentos. Isso é natural, pois quando gostamos ou seguimos o trabalho de alguém, queremos nos identificar com aquela pessoa, tê-la como uma referência.

Por isso pessoas com destaque, que fazem algum sucesso, que estão envolvidas com produções audiovisuais e/ou musicais acabando tendo que assumir o peso de "escolher lados".

Não digo isso de forma negativa, ainda mais se tratando de minorias sociais (aqui não existe imparcialidade, tá?). Todes nós pensamos alguma coisa, mesmo quando temos pouquíssima informação. Sempre temos um lado.

Essa cobrança é ainda maior quando determinada pessoa atrai atenção de públicos bem específicos. Vou focar aqui na comunidade LGBTQIAPN+. Atrair a atenção da comunidade é um compromisso importante. Ter pessoas oprimidas pelo sistema consumindo seu produto e contribuindo com sua fama te torna, no mínimo, obrigade a esclarecer se está ou não ao lado dessas pessoas.

Estamos num período agitado de eleições, e as pessoas estão se separando mais e mais por causa das opções de presidenciáveis. E não estou reclamando disso. Pessoas revelaram seu caráter (ou falta dele) apoiando certos nomes que se comprometem com a desigualdade e a opressão. Por isso mais ainda figuras da mídia estão sendo cobradas de um posicionamento.

Não demonstrar posicionamento ou se recusar a dizê-lo são atitudes vistas de forma negativa. O silêncio pode indicar ser a favor de nomes problemáticos, ou a falta de coragem de se manifestar contra eles. E se há covardia, pode-se pensar muitos motivos, incluindo interesses próprios.

A comunidade está mais do que farta de silêncios e ambiguidades. Aqui não tem relativismo também. E não é mera questão de opinião política, é uma questão moral também.

Se quem está fazendo fama não compreendeu isso, ou essa pessoa é muito ingênua, ou ela realmente não se importa com seu público.

Essas pessoas devem ser cobradas sim! Independentemente da resposta, deve haver uma resposta. Não acho que podemos obrigar as pessoas a falarem. Mas caso não haja uma resposta, o público vai reagir como quer.

Fiquemos com quem tem posicionamentos, quem não tem medo de se manifestar, e quem está a favor da igualdade e do progresso. Posicionamento político é muito mais que uma simples opinião: é revelar sua forma de pensar sobre o mundo e as pessoas - e se essa forma está inclinada para a exclusão ou para a equidade.



17 de set de 2018

Não-binariedade: Alinhamentos #2

Anteriormente eu havia explicado sobre os alinhamentos de gênero. Aqui darei foco em novos termos cunhados para os alinhamentos parciais (ou semi/semi-alinhamentos), ou seja, identificações parciais com os gêneros binários, não-binários, e alguma outra coisa (ex: xênique).

Confiram a primeira postagem aqui.



Vesperiane: parcialmente solariane, parcialmente lunariane, e parcialmente alguma outra coisa.


Equiniane: parcialmente lunariane, parcialmente estelariane, e parcialmente alguma outra coisa.


Solstiane: parcialmente solariane, parcialmente estelariane, e parcialmente alguma outra coisa.


Consteliane: parcialmente solariane, parcialmente lunariane, parcialmente estelariane, e parcialmente alguma outra coisa.


Alvoriane: fluidez entre os alinhamentos.


Segue abaixo novas bandeiras para os termos auroriane, crepusculiane, celestiane e singulariane.





Segue abaixo uma imagem ilustrativa sobre todos os alinhamentos e combinações entre eles.